Archive for Janeiro 2011

Está a decorrer a nossa actividade para recolher fotografias da Rua dos Caminhos de Ferro com o nome “FUI À ESTAÇÃO E SOBREVIVI!”

Precisamos de ilustrar as condições a que somos sujeitos na Rua dos Caminhos de Ferro.

Partilhem as vossas fotografias, mesmo de telemóvel, no nosso mural no Facebook.

(clique aqui: www.facebook.com/entradanorte)

Porque uma imagem vale por mil palavras!

Um dos nossos patrocinadores oferece uma garrafa SIGG para as fotografias que sejam mais votadas pelo público e pelo nosso júri.

Por isso procurem no disco rígido, ou tirem a máquina fotográfica da gaveta: coloquem as fotos no nosso mural e no comentário escrevam “FUI À ESTAÇÃO E SOBREVIVI!”

O pior que pode acontecer é ganharem uma garrafa SIGG e Lisboa ganhar melhores acessibilidades :)

O Movimento “Entrada Norte” está em destaque no Sapo RADAR. Fica aqui o nosso obrigado ao SAPO por este destaque que tanto ajuda a dar visibilidade a esta causa de todos nós.

Uma proposta para melhorar a acessibilidade.

Lisboa, mais precisamente, Stª Apolónia

Mais uma vez, obrigado a todos os que já assinaram a nossa petição. Eis mais um lote de comentários que ilustram bem o que este problema significa para os 2000 utentes diários. Os destaques são da nossa responsabilidade.

Assine e divulgue a Petição “Queremos uma Entrada Norte em Lisboa – St. Apolónia

http://www.peticaopublica.com/?pi=P2010N3714

“Acho muito perigoso passar nesta rua com as minhas filhas menores. É urgente uma solução!”  “Antes ainda havia a hipótese de usar da porta das mercadorias e atravessar a linha, agora temos de dar aquela volta manhosa por um passeio com um palmo de largura! Assino com muito gosto.”  “Apoio a 100% este movimento cívico!”  “Desde que fecharam a porta do lado da Diogo do Couto passaram as pessoas a por a vida em risco todos os dias ao passarem a pé na rua dos caminhos de ferro, que é uma rua muito perigosa onde os veiculos passam a um palmo das pessoas. Eu para ir para o comboio da Azambuja tenho que por a minha vida em risco todos os dias, quando em 1 minuto chegava ao comboio e em segurança se a porta do lado norte estivesse aberta”  “Dificill acesso ao interior da estaçao em virtude do passeio exterior ao muro ser demasiado estreito tornando e perigoso”  “É importantissimo que seja feita….”  “É necessario abrir a entrada URGENTEMENTE”  “É Urgente !!!”  “Embora não residindo em Lisboa, desloco-me com regularidade a casa de um familiar, fazendo, precisamento este percurso, a pé. Para além de me obrigar a percorrer todo o espaço interior de estação, sou obrigada (como toda a gente) a fazer o mesmo percurso pelo exterior, sujeitando-me a caminhar (muitas vezes) fora do passeio, umas vezes para dar passagem a outras pessoas e quase sempre porque o malote que arrasto não me permite fazê-lo no reduzido passeio (?).”  “Esta causa tem todo o meu apoio!”  “Esta entrada já devia ter sido construída há muito tempo!!!”  “Facilitar a vida das pessoas”  “Isto nem deveria ser necessário!”  “Já espero por isto há 19 anos, nunca fiz muito por isso acontecer mas é esta a minha oportunidade.”  “Já não bastando as reduzidas dimensões do passeio, (acrescentamos o) desnível do pavimento e tampas de esgoto que obrigam as viaturas a fazer razias aos peões…”  “Mais um medonho caso de desleixo por partes das entidades responsáveis (refer). Nem se pode dizer que esta é uma ideia nova dado que já há alguns anos existe nesse muro um stencil com um tracejado a indicar “recortem-me aqui”. Obviamente que as pessoas que podem decidir estas coisas não andam a pé…”  “Meu Deus, só neste país acontece termos que recorrer a Petições para resolver uma situação de todo inadmissível! Os meus agradecimentos ao Autor desta Ideia (Petição).”  “Parabéns pela iniciativa ! Faz todo o sentido que esta solução seja adoptada, com claras mais-valias e sem necessidade de grande investimento por parte de quem, atempadamente, já deveria ter equacionado a necessidade desta entrada.”  “Pelo facto de trabalhar próximo desta possivel entrada e a minha deslocação diária, seria mais segura e rápida. ”  “todos os dias tenho de fazer este trajecto perigoso e acho que deveriamos ter melhores condições para os cidadãos, porque mais vale prevenir do que remediar.”  “Vamos com isto para a frente e em força. Estou farto de apanhar chuva e de respirar o fumo dos carros”

A REFER continua a preferir que os passageiros morram no exterior da estação porque o que ocorre no exterior da estação é um problema de outros, não da REFER.

Estamos em 2011 e o movimento conta com 3 meses de vida activa. Nestes 3 meses passámos de um cidadão isolado para um movimento de cidadãos nas 2 freguesias que concorda que o muro não tem razão de existir:

Ninguém, excluindo a REFER, defende a a existência do muro: nas Juntas de Freguesia foi elogiado o movimento e a necessidade de alterar a situação actual pois é inadmissível a situação actual às portas de Lisboa.

Ninguém, excluindo a REFER, se preocupou com os fantasmas da segurança no interior da estação: todos acharam mais importante as questões de segurança no exterior da estação.

Ninguém, excluindo a REFER, concorda que encerrar o acesso que existiu até 2009 foi uma ideia acertada. Foi uma acção que apenas favoreceu a REFER, sem qualquer vantagem para os passageiros.

Ninguém, excluindo a REFER, consegue conceber que esta situação exista em Lisboa: 11.000 pessoas separadas da estação por um muro que não pediram, porque a REFER insiste que ele terá sempre que existir.

Ninguém, excluindo a REFER, pediu um muro de quase 1 quilómetro a separar a estação da população que a deveria servir.

Lisboa é nossa, não da REFER: Este será um bom ano para que eles entendam que a Estação de Santa Apolónia serve os lisboetas, não a REFER.

Eu não desistirei. Nunca.

Basílio C. Vieira

Basílio Vieira

Fundador do Movimento “Entrada Norte”